Pesquisar neste blog:

terça-feira, 11 de agosto de 2015

GZR - Plastic Planet

Este é o primeiro álbum da carreira solo de Geezer Butler, o grande baixista do Black Sabbath. Ele se juntou a Burton Bell (vocalista do Fear Factory) para gravar um disco pesado, intenso e, lamentavelmente, pouco conhecido entre os fãs. E que está completando vinte anos de lançamento!

Em 1992, o Black Sabbath excursionava com Ronnie James Dio nos vocais, além de Vinny Appice na bateria e a dupla Tony Iommi / Geezer Butler. No final da turnê, Dio se recusou a participar da suposta turnê de despedida de Ozzy Osbourne, e saiu da banda, levando Appice consigo. O Sabbath recrutou novamente Tony Martin e o baterista Bobby Rondinelli e gravaram o ótimo "Cross Purposes". Após a turnê, Geezer não quis continuar em sua banda de origem e foi tocar com Ozzy, gravando com ele o álbum "Ozzmozis" e participando de sua turnê promocional. Ao fim desta turnê, ele finalmente resolveu gravar o primeiro disco de sua carreira solo. Ele se juntou com seu sobrinho, o guitarrista Pedro Howse, e recrutou o vocalista Burton Bell, do Fear Factory (Burton já tinha gravado o clássico álbum "Demanufacture" com sua banda, um álbum que causou bastante impacto e aumentou bastante a popularidade do Fear Factory). Para a bateria, trouxe Deen Castronovo, que também estava excursionando com Ozzy (Deen está atualmente enroscado com a justiça norte-americana, com acusações de estupro).

Como de costume, Geezer escreveu diversas letras e passou para seu sobrinho, que compôs algumas músicas. Geezer também compôs - a Wikipedia cita o baixista dizendo que ele estava mais satisfeito com suas composições do que com as que estava lidando no Black Sabbath - um dos motivos de sua saída da banda, na época. Para engenheiro de som e produtor, foi recrutado Paul Northfield, que já trabalhou com Rush, Dream Theater, Suicidal Tendencies e com o próprio Ozzy, tendo sido o engenheiro do álbum "Ozzmozis", que Geezer gravou anteriormente.

Foto da banda no encarte do CD
Musicalmente, o álbum se calca no peso tradicional da banda principal de Geezer, o Black Sabbath, e adiciona camadas de industrial (cortesia de Burton Bell, provavelmente) para formar a sonoridade do disco. O vocalista Burton Bell alterna vocais gritados com passagens suaves muito bem, se tornando um dos destaques do álbum. Pedro Howse, o guitarrista sobrinho de Geezer, não faz feio e entrega o peso que se espera e bons riffs ao longo do disco. A bateria de Deen Castronovo é presente e faz bonito também, não poderíamos esperar nada diferente, Deen tem um currículo invejável. A produção deixa o som bem seco, chapado, realçando o peso das canções e aumentando o impacto delas.

O maior destaque do álbum é a canção "Drive Boy, Shooting", levada cadenciada empolgante que ganhou um vídeo clipe (veja abaixo) que chegou a passar aqui na nossa MTV na época do lançamento, no programa especializado em heavy metal - Fúria MTV. Entretanto, o disco não fica apenas com esse destaque, ele traz mais: em "Giving Up The Ghost", além de um bom riff e muito peso, com os vocais de Burton se destacando, a letra é uma alfinetada no companheiro Tony Iommi, que na época insistia em seguir com o Black Sabbath como único membro original (em defesa de Iommi, devo dizer que ele já tentou lançar discos com seu nome, mas a gravadora não deixou e obrigou o disco a levar o nome do Sabbath. Contra ele, tem o horrível lançamento do mesmo ano, o álbum "Forbidden"...). A faixa-título acelera bastante, com um refrão pegajoso e é outra bela faixa. "Seance Fiction" traz uma introdução cheia de efeitos e ela explora todo um climão, uma  faixa lentinha que cresce e ganha peso, muito boa também. Pra encerrar os destaques, "Cycle Of Sixty", uma faixa acústica relembrando clássicos do Sabbath como "Planet Caravan" e "Solitude", finalizando com estilo este belo álbum.

Este foi o álbum de estreia de Geezer Butler em sua carreira solo, um álbum forte, belas composições, muito peso e qualidades inegáveis. Sua carreira solo ainda veria mais dois lançamentos: "Black Science" (1997) e "Ohmwork" (2005). Quem sabe, assuntos de futuros posts do blog!!

Relação de músicas:
1 - "Catatonic Eclipse"
2 - "Drive Boy, Shooting"
3 - "Giving Up The Ghost"
4 - "Plastic Planet"
5 - "The Invisible"
6 - "Seance Fiction"
7 - "House Of Clouds"
8 - "Detective 27"
9 - "X13"
10 - "Sci-Clone"
11 - "Cycle Of Sixty"

Alguns vídeos:
Vídeo clipe de "Drive Boy, Shooting":


"Catatonic Eclipse" (só o áudio):


"Seance Fiction" (só o áudio):


Um abraço rock and roll e até a próxima resenha!!

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...